5 árvores que você só encontra na Amazônia

Sabemos muito bem a importância que as árvores possuem no nosso planeta. Elas trazem o equilíbrio através das chuvas, nivelação da temperatura, melhoram a qualidade do ar e ajudam a biodiversidade a prosperar.

Mas você sabia que certas espécies, nativas da nossa Amazônia, apenas podem ser encontradas por lá?

Isso mesmo! E hoje vamos conhecer cinco delas:

1- Parapará (Jacaranda Copaia):

O Jacaranda-copaia é a única espécie conhecida pelo nome de Parapará na Amazônia. Ela é uma árvore que cresce muito rápido, e por este motivo é muito indicada para reflorestamento e regeneração de matas de capoeira. Ao florescer é exuberante, demonstrando-se uma ótima escolha para arborizações urbanas.

Esta árvore faz parte do grupo de 50 espécies pertencentes ao  gênero Jacaranda,  todas sendo neotropicais. A maioria das espécies do Jacaranda são encontradas principalmente nos cerrados e outros ambientes mais secos ao redor da Amazônia. O Paraparé é a única espécie deste gênero amplamente distribuída na Amazônia.

2- Cajuaçu (Anacardium Giganteum):

Encontrado em florestas de terra firme e em áreas de cultivo, com copas grandes e densas, o Cajuaçu é uma árvore que pode chegar a atingir 40m de altura e mais de 1m de diâmetro.

Ela também é conhecida como: caju-bravo, caju-da-mata, cajuí ou cajuí-da-mata.  Produz um pseudofruto muito saboroso que carrega um suco agridoce, este último tendo fama de ser tão saboroso quanto o suco do próprio caju. Já a castanha, verdadeiro fruto do caju, possui uma amêndoa que pode ser consumida após ser desintoxicada por meio de seu assamento.

3- Andiroba (Carapa Guianensis):

A Andiroba pode chegar a atingir 30m de altura, possui copas densas e normalmente tem sapopemas baixas. Ela é amplamente distribuída por toda Amazônia e pode ser encontrada, com frequência, em florestas de terra firme além de várzea. Nas várzeas elas atingem uma altura maior e se apresentam em maior densidade.

Esta árvore é muito usada para tratamentos medicinais. De suas sementes é feito um óleo usado para aliviar contusões, edemas, reumatismo e para auxiliar na cicatrização e recuperação da pele. A sua casca é utilizada para: curar febres através do chá, fabricar velas, sabão e xampu, curar feridas e vermes quando transformada em pó, e até mesmo chega ser utilizada como repelente.

Por ser uma grande fonte de produtos extrativos, seu corte anda sendo restringido ou proibido ao longo do tempo.

4- Tatajuba (Bagassa Guianensis):

Esta é uma árvore de grande porte, chegando a 50m de altura e uma de suas características é que ao ser cortada a Tatajuba solta um látex esbranquiçado.

Além disso, a árvore produz um fruto comestível que possui um gosto levemente adocicado. Tal fruto é fonte de alimento para diversos animais.

Sua madeira possui uma coloração amarelada e é resistente a ataques de insetos e vermes marinhos.

5- Maçaranduba (Manikara Huberi):

Com copas arredondadas e abertas, a Maçaranduba é uma árvore que pode atingir 4 a 26 metros de altura, já seu tronco pode chegar a ter 30 a 60 cm de diâmetro.

As frutas que esta árvore produz são comestíveis e muito apreciadas. Muitas vezes elas são colhidas na própria natureza para uso local, mas também são cultivadas para serem vendidas nos mercados da região. A Maçaranduba também tem um látex comestível, ele pode ser bebido como leite.

Fonte: Portal Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *